Fechar
Acesso restrito


Notcias

09/05/2018 - IRPF 2018: acompanhar o andamento da declarao quase to importante quanto entreg-la

Ação é a única maneira de corrigir erros ou pendências antes de cair na malha fina e ser notificado pela Receita

 
Ter feito a declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física 2018 (IRPF) dentro do prazo, que expirou em 30 de abril, é fundamental para não ter problemas com a Receita Federal, mas acompanhar o trajeto do documento após a entrega também é muito importante.
 
"Na declaração de Imposto de Renda da Pessoa Física há uma série de confrontos de informações com outras declarações prestadas antes do mês de abril, pelas empresas – a principal delas é a Dirf (Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte)", afirma o presidente do GBrasil e diretor da Orcose Contabilidade, representante do grupo em São Paulo, Júlio Linuesa. "Mas existem mais de 20 tipos de declarações instituídas pelos órgãos competentes, que as empresas são obrigadas a apresentar."
 
Portanto, ao receber as declarações de IRPF, a Receita já tem uma série de dados sobre salários, aluguéis  e rendimentos recebidos, entres outros, pagos pelas empresas. Com isso, o Fisco possui facilidade em cruzar informações e a verificar inconsistências. 
 
Se encontrar alguma incongruência, o Fisco pode notificar o contribuinte. Quando isso acontece, não é mais possível retificar a declaração, que já está na malha fina. A única maneira de evitar o problema e corrigir erros ou pendências é verificar o andamento do documento no sistema da Receita Federal, que informa o contribuinte de dados incorretos ou incompletos.
 
"Realizamos um acompanhamento contínuo, nos meses posteriores à entrega das declarações do Imposto de Renda, de nossos clientes. Esse é um trabalho que classificamos como de primordial importância, visto significar ação preventiva para o atendimento de qualquer inconsistência, antecipando-se a problemas que possam advir da malha fiscal e de penalidades", explica Rider Pontes, sócio-fundador da Unicon – União Contábil (GBrasil | Vitória – ES).
 
Como fazer o acompanhamento
 
"Existem duas formas de fazer acompanhamento. Ambas estão dentro do espaço no site da Receita Federal que é chamado de 'e-Cac' (Centro de atendimento Virtual)", ensina Júlio Linuesa.
 
"Uma delas é seguir o passo a passo que o próprio site da Receita fornece, cadastrar uma senha e seguir a declaração. Se ela não estiver processada e possuir alguma pendência, é possível verificar nesse mesmo espaço. Caso seja necessário, basta fazer uma declaração retificadora e acompanhá-la também", explica.
 
A segunda forma é fazer o acompanhamento via certificado digital – recomendado pelo presidente do GBrasil para quem recebe rendimentos de várias fontes, como empresários ou proprietários de muitos imóveis.
 
"É uma forma que dá uma amplitude muito maior da situação da pessoa física na Receita Federal. É possível ter uma de visão de como andam as declarações dos últimos cinco anos ou mais.  Também dá para copiar comprovantes de fontes pagadoras,  recibos e imprimi-los, além de uma infinidade de outras ações", ressalta.
 
Para conseguir um certificado digital, é preciso recorrer a uma das autoridades certificadoras credenciadas no ITI (Instituto Nacional de Tecnologia da Informação), já que a Receita Federal não oferece esse serviço. O pedido pode ser feito pela própria internet.
 
Entregar a responsabilidade da declaração para uma empresa contábil, contar com o acompanhamento profissional do documento, é uma ótima opção para não se  ter problemas com o Fisco.
 
"Para o cliente que terceiriza o trabalho, é um conforto muito grande saber que seu contador está tomando conta de 'sua vida' para qualquer eventual pendência junto à Receita Federal", finaliza Rider Pontes.

Veja também

IRPF 2018: prazo de entrega acabou, mas ainda é possível retificar sua declaração

IRPF 2018: quais são as penalidades para quem declara fora do prazo?

IRPF 2018: tabela fica sem reajuste novamente

IRPF 2018: como se faz o câmbio de receitas recebidas fora do Brasil?

IRPF 2018: como evitar a bitributação?

IRPF 2018: início da declaração começa nesta quinta-feira (1º)

IRPF 2018: declarantes devem informar CPF dos dependentes a partir de oito anos de idade

IRPF 2018: como declarar filhos dependentes de pais separados?

IRPF 2018: como informar despesas médicas que são dedutíveis?

IRPF 2018: saiba como declarar auxílio-doença

IRPF 2018: Quais remessas para o exterior são isentas?

ARTIGO - Imóvel recebido em herança ou doação merece atenção especial na declaração de Imposto de Renda

IRPF 2018: cônjuges devem elaborar declaração conjunta ou separada?

IRPF 2018: conheça as novidades para a declaração de bens

IRPF 2018: como declarar rendimentos isentos e não tributáveis?

IRPF 2018: sócio de empresa deve declarar?

IRPF 2018: Brasileiros que moram no exterior devem fazer a declaração?

IRPF 2018: como os autônomos devem declarar?

IRPF 2018: quais são os erros mais comuns na hora de declarar?

IRPF 2018: como declarar compra e venda de ações?

IRPF 2018: quem é MEI precisa declarar?

IRPF 2018: Previdência privada é lançada como despesa ou como um direito adquirido?

IRPF 2018: como declarar os rendimentos recebidos acumuladamente?

Newsletter

Rua Clodomiro Amazonas, 1435
So Paulo - SP - 04537-012
e-mail: contato@gbrasilcontabilidade.com.br
Tel: (11) 3814-8436
veja o mapa